Aparelhos Parasitas


APARELHOS PARASITAS E MAGIA NEGRA.

E os aparelhos parasitas que são colocados no sistema nervoso etérico, num processo de magia negra, causando doenças? No caso das doenças mentais, que tipo de aparelhos seriam colocados na “vítima”, e em que corpo?

RAMATÍS: - Nem todo aparelho parasita implantado nos corpos etéricos dos encarnados enfermiços, dementados, com alienação geral e outras sintomatologias graves faz parte dos processos de magia negra. No mais das vezes, são decorrências da mais pura tecnologia, que está em estágio mais avançado no Plano Astral e nas organizações trevosas que habitam a subcrosta terrestre do que entre os terrícolas encarnados. As comunidades do Umbral Inferior têm recursos tecnológicos, inclusive com centros de pesquisas, engenheiros, físicos, bioquímicos e os mais variados cientistas que o mal pode arregimentar. Uma das técnicas obsessivas mais “refinadas”, e que dificulta sobremaneira os atendimentos desobsessivos “tradicionais”, nas quais “somente” a preleção evangélica como ferramenta de esclarecimento prepondera, é a implantação de aparelhos parasitas no sistema nervoso etérico dos obsidiados. Essas pequenas engenhosidades tecnológicas podem ser colocadas no bulbo, no cerebelo, nos lobos frontais, na medula espinhal, entre outros locais físicos, relacionados como psiquismo do ser. Geralmente tem dispositivo eletrônico com a finalidade de interferir nas sinapses nervosas. Disparam-nas os sentimentos negativos de vaidade, ódio, ciúme, concupiscência, causando verdadeiro curtos-circuitos nas redes sinápticas, dores de cabeça terríveis e os mais variados distúrbios psicobiológicos, quando desestabilizam os chakras e as glândulas correspondentes a esses centros energéticos, intensificando os quadros mórbidos pela interferência no metabolismo hormonal, daí advindo as doenças mais variadas. Os mecanismos que “ativam” o funcionamento desses aparelhos estão ligados aos pensamentos mais profundos e inevitavelmente oriundos do inconsciente milenar e de ressonância de vidas passadas, que estabelecem o fulcro gerador das emoções debilitantes do ser na presente encarnação. Por si sós, são inofensivos naquelas pessoas em que se faz valer o velho aforismo popular. “Em cuidado e arado o jardim, o inço e as ervas daninhas não crescem.” Ou seja, o mal só se instala onde encontra terreno fértil.


EVOLUÇÃO NO PLANETA AZUL
Ramatís
Norberto Peixoto

Leave a Reply