Os milagres de Jesus

Na história, é bastante comum a crença na existência de milagres devido a acontecimentos inexplicáveis. Muitas pessoas descobriram ou recuperaram a fé após a realização do que parecia impossível aos recursos materiais. Os denominados milagres de Jesus desafiam até hoje as explicações científicas e fascinam a todos devido à grandeza de seus atos em benefício do planeta.

Para a doutrina espírita, milagres não existem, pois nada foge as leis naturais.

O livro da codificação espírita, A Gênese, ressalta que os fenômenos nos quais o elemento espiritual tem parte preponderante não podem ser explicados apenas pelas leis da matéria. Talvez, o grande desafio ainda seja desvendar o que os “milagres” significam e o que podem ensinar sobre a vida e a perfeição Divina, que não privilegia nenhum de seus filhos. Quanto aos milagres relatados nos Evangelhos, o livro O Sublime Peregrino, ditado pelo espírito Ramatís, faz comentários importantes a respeito: “O Mestre realizou inúmeras curas e renovações espirituais, que não devem ser consideradas milagres, mas resultantes de suas faculdades mediúnicas. Em virtude de sua elevada hierarquia espiritual e da incessante cooperação das entidades angélicas que o assistiam, tudo o que ele realizava nesse sentido, embora tido por miraculoso, era apenas conseqüência da aplicação inteligente das leis transcendentais”.

Com o objetivo de compreendermos melhor o significado dos milagres e suas interpretações, entrevistamos o palestrante e escritor José Reis Chaves, que tem diversos livros publicados sobre a Bíblia e a história do cristianismo, tais como: A Reencarnação Segundo a Bíblia e a Ciência; A Face Oculta das Religiões; Quando Chega a Verdade e em fase de preparação, Teologias em Conflito e A Bíblia e as Teologias.

Comente sobre as passagens bíblicas que falam a respeito dos milagres de Jesus e suas interpretações.

Foi a Universidade de Paris, administrada pela Igreja (com um domínio total dos padres no século XIX), que definiu que o milagre é uma transgressão da lei da natureza, e que, por isso, é um fenômeno sobrenatural. Todas as curas feitas por Jesus e definidas como sendo milagres, são fenômenos naturais e explicados pela ciência, exceto os narrados com exageros, mas que por isso mesmo não têm crédito entre os exegetas espíritas, católicos e uma parte das igrejas protestantes. Aliás, é sabido que um dos maiores erros das religiões sempre foi o exagero.

Quando Jesus curava alguém, dizia: “tua fé te salvou”, do que se deduz que existiram pessoas que não foram curadas, porque não tinham fé suficiente. Mas isso não é narrado pelos evangelistas, pois eles só tinham interesse em narrar fatos que exaltassem Jesus.

Por que no passado, principalmente nos primórdios do cristianismo, as curas de Jesus eram consideradas milagrosas ou sobrenaturais?

Por superstição ou ignorância das pessoas da época, quando na verdade, se tratavam de fenômenos naturais. Para o apóstolo Paulo, eram dons espirituais do indivíduo e não do Espírito Santo da Trindade, que era totalmente desconhecido por ele. Somente Deus é sobrenatural, mas tudo que Ele próprio criou é natural. Para São Tomás de Aquino, considerado o “doutor angélico” da igreja, Deus é o único ser incontingente, isto é, incriado, que não é causado por outro ser, e que não se origina de outro, sendo todos os outros seres existentes, inclusive os fenômenos, seriam contingentes. Portanto, o milagre, na definição que lhe deram os teólogos da Universidade de Paris, não existe, pois as leis de Deus são imutáveis. Jesus também nos ensinou que tudo que o ele fez nós poderíamos fazer também, isso fica bastante claro.

De acordo com seus estudos bíblicos, os relatos relacionados com os milagres de Jesus estão exatos ou foram alterados?

Segundo os estudiosos da Bíblia e exegetas católicos mais avançados, somente 18% das coisas atribuídas a Jesus nos Evangelhos são autênticas. Isso porque a Bíblia é provavelmente o livro mais alterado que existe. É que os estudiosos da Bíblia do passado desconheciam a advertência do evangelista João, em sua primeira Carta(4:1), que nos manda examinarmos os espíritos, para sabermos se são de Deus ou do “mal”. É o mesmo erro que cometem os carismáticos católicos e os evangélicos, para os quais, os espíritos que se lhes manifestam é Deus, que eles chamam de Espírito Santo.

Hoje com o conhecimento sobre a mediunidade, ectoplasmia e outros fenômenos, é possível compreender melhor as curas de Jesus?

Sem dúvida, o estudo dos fenômenos mediúnicos, entre eles, o de ectoplasmia, têm trazido muitos esclarecimentos para desvendar os acontecimentos considerados sobrenaturais na Bíblia, quando não passam de fenômenos naturais mediúnicos. A transfiguração é um exemplo disso, quando no Monte Tabor, materializaram-se os espíritos Moisés e Elias, fato presenciado também pelos apóstolos e médiuns especiais João, Pedro e Tiago. Até mesmo os comentários de padres e pastores sobre esse episódio bíblico são escandalosos, pois acentuam até a exaustão que a roupa de Jesus era branca como a neve e que brilhava como o sol, mas fazem silêncio sobre o principal, ou seja, sobre a verdadeira sessão espírita que ocorreu. Lembremo-nos de que, sabendo Jesus que a Lei de Moisés (não a de Deus) proibia a comunicação com os espíritos, pediu aos três apóstolos que guardassem segredo sobre o que haviam presenciado. Recordemos também de que a própria proibição de Moisés da comunicação com os espíritos (Deuteronômio, capítulo 18) prova que essa comunicação existe de fato. Ademais, Moisés a aceita no Livro de números (11,26 a 29), nos episódios envolvendo os médiuns Heldade e Medade.

O fato de Jesus não ter curado todos os enfermos, pode ser o ponto chave para a compreensão de que milagres não existem e sim o poder da fé?

Existe um poder de cura, sim. É o caso de médiuns de cura e do próprio Jesus, que era um médium especial de cura, pois estava sempre curando as pessoas (Lucas 13:32). Paulo falou também nesses fenômenos de curas, que ele denominou “operações de milagres” (I Coríntios 12:10), mas milagre para ele não tinha o sentido que tem hoje, ou seja, aquele de que é a transgressão da lei da natureza, dado pela Universidade de Paris, como já dissemos, no século XIX. Porém, como já foi dito também, a fé ajuda e muito na cura. A fé atua abrindo as portas para a entrada das energias benfazejas. Ela ajuda a criar entre o curador e o curado uma sintonia, como se fosse entre um transmissor e um receptor, fazendo surgir entre os dois uma empatia.

http://www.rcespiritismo.com.br

Leave a Reply