Texto extraído do livro “Fabiano de Cristo o Peregrino da Caridade”

O doutor Fortes era médico generoso. Interessava-se pelos doentes, fosse qual fosse a sua condição social. Amparava do senhor ao ultimo dos escravos, sem nenhuma distinção.

A técnica precária da medicina, na época, porém, quase o sempre colocava em desvantagem diante das enfermidades rebeldes.

Clinicamente, também, na enfermaria do Convento de Santo Antônio, desde a muito passara a observar aquele enfermeiro Fabiano de Cristo, que vencia onde ele se sentia derrotado.

Daquelas mãos dedicadas, vira doentes sem esperanças saírem recuperados e retornarem à vida comum, sem sinais das doenças que deveriam tê-lo vitimado.

Deveria haver, ali, algum segredo – conjeturava muitas vezes. E certo de que esse segredo existia, disfarçadamente inspecionava a cada um dos atos de Fabiano.

Talvez tudo estivesse na água! Sim! É que a cada doente em estado grave, Fabiano ministrava uma porção de água. E até para aqueles portadores de ferimentos graves, ele aplicava gotas d’água na região enferma, provocando miraculosamente a reversão do quadro e obtendo cicatrizações espantosas.

Fortes queria dominar aquele conhecimento.

- Há dias te observo trabalhando na enfermaria, irmão Fabiano! – irrompe o médico, após Fabiano de Cristo haver distribuído porções d`água a diversos internados. – Por mais que queiras negar, colocas nessa água algum recurso medicamentoso que desconheço.

O interpelado sorriu candidamente.

- Nada faço, que qualquer um outro não possa fazer, doutor!

- Desculpe-me, porém não creio! Afinal, eu te trouxe dois doentes irrecuperáveis, segundo os meus recursos médicos e, três dias após, ei-los refeitos e a te ajudar! E vi que nada lhes deste além da água.

O médico insistia:

- Se guardas avaramente teu segredo, lembra-te de teu dever de humanidade! Muitas outras pessoas poderiam retornar à normalidade da saúde, se me revelasses o teu conhecimento misterioso.


Fabiano, visivelmente constrangido diante do doutor Fortes, foi direto ao incisivo:

- Doutor, apiedo-me e muito diante de cada um que sofre. Eles chegam aqui e nada sei de enfermagem! Como socorrê-los? E, querendo minorar as suas dores, apanho as canecas com água e faço as minhas orações, para cada doente em particular.

E, diante do médico admirado, complementou:

- Sabendo que a vida vem de Deus, rogo ao Pai de misericórdia que abençoe a água que Ele próprio criou e que nela dê o seu sopro de vida, como dá à vida inicial ao homem.

Houve uma pausa longa, quebrada pelo reticente médico:

- E...?

- E sabendo que o Pai atende a todas as súplicas desinteressadas, sei que a água se transforma em um santo remédio. O que Deus coloca nela, nunca perguntei! Só sei que, com muito amor e muita fé, vou ministrá-la aos doentes, em nome de Jesus Cristo!

- Se o senhor fizer isso, doutor – completou Fabiano – Deus por certo te atenderá, pois Ele me ouve a mim, que sou ignorante e pecador, e mais te ouvira pelas tuas virtudes.

Sabe-se que, algumas vezes, o doutor Fortes foi visto dando pequenas porções d`água a escravos enfermos!


Fonte http://www.caboclopery.com.br/o_segredo_das_curas.htm

One Comment

Leave a Reply